Policlínica Fazenda Rio Grande

Setembro Amarelo

Home>Notícias>Setembro Amarelo
Setembro Amarelo
Por: admin

Desde 2005, ocorre durante o mês de setembro a campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio com o intuito de alertar a população sobre essa triste realidade que tem aumentado em todo lugar, inclusive no Brasil. Para reforçar essa campanha e envolver a comunidade nesse projeto, é comum ver durante o mês de setembro espaços públicos ou privados com decorações e iluminação na cor amarela. A seguir, a Policlínica separou mais informações sobre o assunto. Confira!

 

Falar é a melhor solução

Até três décadas atrás doenças como câncer, AIDS e DSTs eram consideradas tabus e que não era agradável falar sobre elas. No entanto, a constante crescente do número de vítimas fez com que esse tabu fosse quebrado. Então ações de conversas, esclarecimento, conscientização e estímulos à prevenção fez com que o cenário se revertesse.

Não diferente, falar sobre suicídio também ainda é um tabu, mas que precisa ser quebrado, principalmente porque pelos números oficiais são 32 brasileiros mortos por dia. Um número assustador e maior que o das vítimas de AIDS e câncer. Infelizmente este é um mal silencioso e talvez por medo ou desconhecimento as pessoas fogem do assunto e não percebem os sinais de que uma pessoa próxima está com ideias suicidas.

Portanto, falar sobre o suicídio é a melhor solução para evita-lo. Busque ajuda de pessoas próximas, seja a ajuda de pessoas próximas, e procure um profissional preparado para atender estes casos, como psicólogos ou psiquiatras. Entre em contato com a Policlínica Fazenda Rio Grande e agende uma consulta com um dos nossos psicólogos.

 

Atenção aos sinais

Em apoio à campanha do Setembro Amarelo, a Policlínica separou alguns sinais que devem ser observados para identificar um possível caso de suicídio.

  • Observe os padrões comportamentais: pessoas com pensamentos suicidas tendem a sentir um sofrimento profundo; remoem ideias de forma obsessiva; acreditam que a vida não tem sentido; não têm energia para realizar tarefas básicas e perdem o interesse por atividades que antes eram prazerosas.

 

  • Mudanças drásticas de humor: a mudança de humor durante o dia é normal, porém quando as alterações forem extremas, como vazio profundo e tristeza; irritabilidade; sentimento de culpa ou vergonha; raiva e até vingança, é preciso ficar atento.

 

  • Dê ouvidos aos alarmes e avisos verbais: para alguns a dor é tão profunda e o sofrimento tão sufocador que parece não haver outra saída. Então, em um ato de desespero e pedido de ajuda é comum que pessoas com pensamentos suicidas falem, por exemplo, “não aguento mais”, “quero sumir”, “quero morrer”, “minha vida não vale a pena”, “não aguento essa dor”, “você vai sentir minha falta quando eu for”, “era melhor eu não ter nascido”, dentre outras falas com sentido parecido.

 

  • Adolescência ou aborrecência?: há uma ideia errônea que somente adultos se suicidam, no entanto, dados apontam que houve um aumento de 40% nos casos de adolescentes com idade entre 10 e 14 anos, e um aumento de 33% entre aqueles com idade entre 15 e 19 anos. Por isso, procure diferenciar as mudanças intensas comportamentais características da adolescência com o padrão suicida. O adolescente com ideias suicidas busca se isolar e não sabe manifestar seus sentimentos de forma clara, ate porque muitas vezes nem ele mesmo se entende.

 

  • Fatores de risco: se a pessoa já apresenta quadro de alguma doença psicológica, como depressão profunda, transtorno bipolar, transtorno de personalidade borderline, esquizofrenia, vício em substâncias tóxicas, entre outras, os riscos de suicídio aumentam significativamente. Portanto, preste atenção aos padrões comportamentais, acolha a pessoa e busque ajuda.

 

Acolha e ajude  

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o assunto, fique atento aos sinais, e ao identificar um caso de possível pensamento suicida, acolha essa pessoa, tenha empatia a sua dor e sofrimento e ajude-a, tanto ao oferecer seu apoio como orientá-la a buscar ajuda profissional. Você pode salvar vidas.

E se você se identificou com alguns sinais e já pensou em tirar a sua vida, procure a Policlínica imediatamente. Você não está sozinho, estamos com você nessa luta. A sua vida é maior que toda dor. Conte conosco!!!


Voltar
Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas